Apresentação

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Convidado - Mauro Senise






Mauro Senise


       Celebrado como atração do Free Jazz e do Chivas Jazz Festival, aplaudido como integrante do grupo Cama de Gato, com participação em inúmeros discos brasileiros, o flautista e saxofonista Mauro Senise é o melhor exemplo de que música instrumental é sucesso no Brasil. Senise, nascido em maio de 1950, no Rio de Janeiro, neto do pensador Alceu Amoroso Lima, começou sua carreira nos anos 70. Estudou flauta clássica com Odette Ernest Dias e sax com Paulo Moura dois mestres que Mauro reconhece como fundamentais em sua carreira. Durante muitos anos tocou e gravou com outros grandes mestres como Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, Wagner Tiso e Luis Eça. Já gravou também com todos os grande nomes da MPB. Mas ser solista sempre foi seu objetivo. No início da carreira, Senise fez parte do grupo Mandengo, junto com Tomás Improta, Tony Botelho, Raul Mascarenhas, Barrozinho e Duduka da Fonseca. Depois disso, gravou dois discos, como convidado especial, com o Grupo Um, formado por Lelo Nazário, Zé Eduardo Nazário e Zeca Assumpção.    
      Fundou o grupo Alquimia, com Robertinho Silva, Zeca Assumpção e André Delquech. Entre 1974 e 1978, fez parte da Rio Jazz Orquestra. Ao longo de sua carreira, Mauro Senise tocou com alguns dos maiores representantes da música instrumental brasileira, entre eles Robertinho Silva, Romero Lubambo, Nilson Matta, Luiz Alves, Hugo Fattoruso, Nenê, Osmar Milito, Antonio Adolfo, Marinho Boffa, Toninho Horta, Victor Assis Brasil, Rui Quaresma, Cristóvão Bastos, Helvius Vilela, Wanderley Pereira, Alberto Chimelli, Nelson Faria, Ricardo Costa, André Tandeta, Bruce Henry, Eloir de Moraes, Nelson Ayres, Marcio Montarroyos, Fernando Moraes, Dario Galante, Idriss Boudriouha, Vittor Santos, Maurtício Einhorn, Marcelo Martins, Nivaldo Ornellas, Marcos Nimrichter, Ivan Conti, Paulinho Trumpete, Paulo Russo, Itamar Assiere, Jota Moraes, Arthur Maia, Rique Pantoja, Alberto Continentino, Pascoal Meirelles, Mingo Araújo, André Neiva, Gilson Peranzzetta, Gabriel Geszti, Zeca Assumpção, Rodrigo Villa, Leo Amuedo, Lelo Nazário e Zé Eduardo Nazário. Ganhou inúmeros prêmios, dentre eles o troféu Playboy e o prêmio Brahma Extra de Revelação Instrumental pelo conjunto da sua obra. Apresentou-se por toda a Europa com Egberto Gismonti e na Espanha, França, Bélgica e Estados Unidos com o Cama de Gato. Com este grupo tem seis CDs lançados. Juntamente com Rosana Lanzelotte (cravo) e David Chew (cello), Mauro mantém um trio erudito que apresenta peças de Bach, Handel, Telemann, Mozart, Villa-Lobos e de outros grandes compositores.

Convidado - Nivaldo Ornelas


Nivaldo Ornelas  

É flautista, saxofonista, compositor e arranjador. Foi um dos fundadores do “Berimbau Jazz Clube”, ponto de encontro dos músicos mineiros nos anos 60. Logo depois, participou do “Clube da Esquina”. Fez parte do grupo que acompanhava o cantor Milton Nascimento (Som Imaginário).Nesse período, gravou quatro álbuns: "Clube da Esquina", "Milagre dos Peixes" (em estúdio), "Milagre dos Peixes" (ao vivo) e "Minas", além de ter participado da turnê instrumental do Som Imaginário nos anos de 1976 e 1977.Entre os estivais que participou, destacam-se: o Free Jazz (RJ/SP), Tudo é Jazz (Ouro Preto), Tim Festival (RJ/SP), Búzios Jazz e Blues, além de alguns dos festivais de maior prestígio no exterior, como Montreux (Suíça), Live Under the Sky (Japão), Chicago Jazz Festival (EUA), Festival de Estoril (Portugal) e Newport Jazz Festival (EUA). Sua arte abrange também composições para cinema, teatro e balé. Entre os prêmios que recebeu destacam-se: o de Melhor Trilha sonora para a peça “O Encontro Marcado”, de Fernando Sabino, o de melhor música original para o filme “A Dança dos Bonecos”, de Helvécio Ratton. Entre os discos produzidos como solista, destaques para: Portal dos Anjos - Troféu Villa-Lobos; Viagem Através de um Sonho - Troféu Chiquinha Gonzaga; À Tarde (França); Som/Fantasia (editado também em Portugal); Aquarelas - A Música de Ary Barroso, Arredores - Prêmio Sharp. Nos últimos anos, Nivaldo atuou como solista com a Rio Jazz Orchestra, a Orquestra de Jazz de Curitiba, e atuou e gravou com a UFRJazz Ensemble. Foi convidado do Projeto Circular Brasil, da Série MPB & Jazz com Orquestra Sinfônica  Petrobras, e coordenou o Rio Jazz Instrumental por dois anos consecutivos. Em 2009, lançou o CD "Fogo e Ouro" pelo selo do SESC "Amigos no Tom". Em 2011, lançou o dvd "Nivaldo Ornelas ao vivo" e está coordenando o Jazz Mineiro Orquestra (Natura Musical).



quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Convidado - Rubem Schuenck






Rubem Schuenck

Doutor em Performance Musical pela UFMG, Rubem Schuenck concluiu Mestrado nesta mesma instituição e graduação na UFRJ. Flautista do Quinteto Villa-Lobos desde 2012, se apresenta com o grupo nas principais salas de concerto do Brasil, além de países como Portugal, México, Alemanha, Eslovênia e Colombia. Atua como primeira flauta solo na Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Como professor, ministra aulas em festivais como os de Belém, Londrina e Cartagena de Índias na Colômbia.

Convidado - Sofia Ceccato

 

Sofia Ceccato

    Sofia Ceccato, natural de Angra dos Reis - Rio de Janeiro, é uma das mais atuantes flautistas de seu país, exibindo “domínio do instrumento e desenvoltura cênica” como diz o site especializado em música clássica movimento.com. De acordo com o jornal uruguaio El Pais, é detentora de “grande domínio da espiração e da técnica” (J. C. Huertas – El Pais). É solista, camerista e também
instrumentista de orquestras, além de atuar como produtora e apresentadora.
     Fez sua estreia internacional em maio de 2017, no Teatro Solis, interpretando a obra Masia Muju de Beatriz Lockhart com a Orquestra Filarmônica de Montevidéu, dirigida por Ligia Amadio.
Recentemente, estreou a obra no Brasil, em um concerto em homenagem ao Dia Internacional dos Povos Indígenas, acompanhada pela Orquestra Sinfônica Cesgranrio, na Sala Cecília Meireles. Nesta ocasião, dividiu o palco com Anuiá Amaru, flautista da etnia indígena Yawalapiti, com quem improvisou um número. Com o Trio Capitu, lança campanha de financiamento coletivo para a gravação do segundo álbum, apenas com obras de compositoras brasileiras, e estreia o novo espetáculo ComPassos, do qual é produtora e idealizadora, além de colaborar com diversos artistas, como Carlos Malta e Clarice Assad. Com o pianista Edilson Leal, realiza recitais frequentemente, em várias cidades do Brasil. É integrante da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro desde 2005.
     Sofia é também apresentadora e entrevistadora à frente do Partituras, programa dedicado à música da emissora TV Brasil, onde recebe convidados nacionais e internacionais. Em 2016, Sofia participou da montagem de Orfeu e Eurídice de Gluck, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, onde executou o famoso solo do entreato contracenando com a mezzo-soprano Denise de Freitas.
     É mestre em práticas interpretativas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, pós-graduada em música de câmara pelo Conservatório Brasileiro de Música e graduada em flauta pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi intercambista na University of Georgia, onde se aperfeiçoou com Angela Jones-Reus. No Brasil, seus professores foram Eduardo Monteiro , Afonso deOliveira e Paulo César Castilho. Com o Trio Capitu recebeu por duas vezes o Prêmio Funarte de Concertos Didáticos. O álbum de estreia do grupo, Novos Ventos, recebeu menção honrosa do site Embrulhador e foi finalista na categoria Revelação do 27o. Prêmio da Música Brasileira.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Convidado - Helder Teixeira

Helder Teixeira






     Doutor em Música – Flauta – pela Universidade Federal da Bahia e Mestre em Música com especialização em flauta pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, realizou diversos cursos de aperfeiçoamento técnico e interpretativo tanto no Brasil como na Europa com os principais ícones da época, como: Severino Gazzelonni, Felix Rengli, Janne Baxtresser, e outros. Seus principais orientadores foram Prof. Dr Celso Woltzenlogel, na Escola de Música da UFRJ (RJ), Prof. Gueorgui Spassov, Conservatório Búlgaro de Música (Sofia – Bulgária) e Prof. Dr. Lucas Robatto na UFBA – Salvador.

      Participou de concursos nacionais e internacionais de jovens concertistas, destacando-se em sua maioria; entre eles o Concurso Jovens Concertistas Brasileiros na versão do Rio de Janeiro e de São Paulo, obtendo em ambos o 1º Lugar e o ‘Jean-Pierre Rampal Flute Competiton’ em Paris – 1993. Realizou concertos em turnês pela Europa, na Suíça e França e como solista com a Sociedade Bachiana Brasileira em sua turnê ‘Música Brasileira de Concerto na Ásia’ se apresentando no Vietnan e em Cingapura.

       Atualmente é flautista da Orquestra Sinfônica Nacional - Universidade Federal Fluminense.