Apresentação

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Convidado - Marcelo Bonfim


Marcelo Bonfim


Marcelo Bomfim é brasileiro do Rio de Janeiro. Começou seus estudos de música aos onze anos de idade e de flauta transversa aos doze com Carlos Rato e Lenir Siqueira. Tendo ingressado na Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, continuou a sua formação com Celso Woltzenlogel. Posteriormente, graduou-se em Regência por essa mesma escola e obteve também o bacharelado em Música Sacra e Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil.Participou de diversos cursos de extensão, como o Curso Internacional de Férias de Teresópolis (1976), Festival de Artes Bahia (1976), Curso de Verão da Academia Chigiana de Siena, Itália, como aluno de Severino Gazzeloni (1980), Curso Internacional de Regência Coral, organizado pelos seminários de Música Pró-Arte, ministrado pelo Prof. Martin Schmidt (1987).
Em 1980 foi selecionado pela VITAE - Sociedade Cultural, Científica e Beneficente, para freqüentar durante dois anos, na qualidade de bolsista, o curso de especialização da Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim, onde estudou flauta com Andreas Blau e música de câmera com Horst Göbel - ambos solistas da dita orquestra - além de ter integrado, como estagiário, a Orquestra Filarmônica de Berlim em concertos dirigidos por Eugen Jochum e Herbert von Karajan. De volta ao Brasil, teve a oportunidade de atuar como camerista, como integrante do Quinteto Villa-Lobos (1985-1989) e como músico de orquestra, na qualidade de flauta- solista da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, posto que ocupa desde 1977 até hoje.
Bomfim foi vencedor de diversos concursos de âmbito nacional: o Concurso de Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica Brasileira (Rio, 1975), I Concurso Nacional de Flauta (Porto Alegre, 1978), I e II Concursos Sul-América de Música (Rio, 1982 e 1983), onde obteve, entre outros prêmios, um recital no "Brazilian-American Cultural Institute" de Washington, e uma indicação para bolsa de estudos no Conservatóro de Haia, Holanda.
Em março de 1987 participou, como integrante do Quinteto Villa-Lobos, das comemorações do centenário de nascimento de Heitor Villa-Lobos realizadas em Paris, tendo tocado dois concertos naquela cidade. Em 2000, mediante participação em concurso público, foi selecionado para o cargo de primeiro flautista da Orquestra Petrobrás Sinfônica, onde, posteriormente, foi também convidado a exercer a função de membro da diretoria artística, cargo que ocupou até dezembro de 2007. Em julho de 2005, por convite e indicação da mesma orquestra, participou como aluno efetivo das masterclasses ministradas pelo flautista holandês Jacques Zoon, no Festival de Música de Riva del Garda, Italia.Em novembro de 2005, por ocasião das comemorações do "ano do Brasil na França", apresentou-se juntamente com o Conjunto Arcos Brasil e o Conjunto Calíope em várias cidades da França, executando obras representativas do período colonial no Brasil.
Na área teórica, Marcelo Bomfim teve como professores: H. J. Koellreutter (composição e arranjo – 1976-1977); Henrique Morelenbaum (contraponto e fuga – 1989-1990); Murilo Santos instrumentação e orquestração – 1989-1990); Roberto Ricardo Duarte (regência 1990-1992). Sobre seu desempenho como aluno de composição, o professor H. J. Koellreutter declarou: "possui um talento fora do comum no domínio da criação musical, [...] seus trabalhos mostram um espírito livre de preconceitos estéticos e um alto grau de inteligência".

Nenhum comentário:

Postar um comentário